sexta-feira, 30 de julho de 2010

Último dia de férias






Pois é, hoje é meu último dia de férias... Passou tão rápido, não deu tempo para fazer muita coisa. Este ano não deu pra viajar. O jeito é relembrar a viagem do ano passado (estava marcada para 2008, mas teve que ser adiada), que foi uma das melhores e acabou sendo minha lua de mel. O lugar escolhido foi Monte Verde, no sul de Minas Gerais. Para quem não conhece, é uma cidadezinha montanhosa, com clima europeu e vegetação típica de climas amenos. É muito charmosa e oferece uma excelente estrutura para o turismo. Além das trilhas, ecoturismo, comércio diferenciado, a gastronomia é um capítulo à parte, com fondues, truta, apfelstrudel, queijos, vinhos, chocolates e doces artesanais.
Só de falar me dá uma saudade danada...
Saiba mais sobre Monte Verde:





quinta-feira, 29 de julho de 2010

Pão de queijo


Eu, como boa mineira (de coração), A-M-O pão de queijo. Já ouvi muitas pessoas
contarem que não conseguem acertar, a massa fica mole, o pão de queijo fica duro,com gosto de ovo, etc, etc...
Eu tive bastante sorte, porque desde a primeira vez que fiz saiu bem gostosinho.
Das receitas que já experimentei, esta é a melhor, (falta experimentar areceita da minha mãe, que é uma delícia mas não sei porque nunca fiz (??!!). O melhor de tudo é que esta receita rende bastante. Hoje renderam 49 unidades, bem grandinhos, um outro dia a mesma receita rendeu 56 unidades. Costumo assar uns 12 ou 15 na hora em que faço, o restante congelo. Acho ótimo poder tirar do freezer e assar quando bate aquela fominha junto com a preguicinha. Parece feito na hora. E acredito que seguindo esta receita não tem erro. Pode fazer que dá certo!

Ingredientes:

1 prato de queijo curado

1 Kg de polvilho doce

8 ovos (há dias em que 7 bastam, outras vezes são necessários 9)

400 ml de leite

200 ml de óleo

2 colheres (sopa) de manteiga ou margarina

2 colheres (sopa) de sal
Em uma tigela grande, misture o polvilho com o sal. Ferva o leite com o óleo e a manteiga. Escalde o polvilho com a mistura de leite assim que ferver. Misture bem e deixe esfriar. É importante deixar esfriar porque a temperatura pode fritar os ovos no meio da massa. Depois de frio, acrescente os ovos, um a um, enquanto amassa a mistura. Vai ficar bastante grudenta, é assim mesmo, mas é supertranquilo de enrolar. Depois de bem amassado, junte o queijo e dê mais uma amassadinha. Por incrível que pareça, depois do queijo a massa fica menos grudenta. Unte as mãos com óleo e faça as bolinhas. Não precisa caprichar muito porque elas ficam bem redondinhas depois de assadas. Coloque em uma assadeira untada, forno BEM pré-aquecido. Depois de mais ou menos 30 minutos está pronto, mas fique de olho antes porque cada forno é um forno. Eu os congelo crus, na própria forma que serão assados, mas caso prefira, pode ser em tupeware. Já aconteceu de precisar da forma e colocá-los já congelados em um saquinho plástico. Trem bão, uai! Tá esperando o quê pra fazer?

sábado, 24 de julho de 2010

Sobremesa vapt-vupt







Ontem estava preparando um jantarzinho ultra-prático, mas caprichado (passei o dia todo faxinado a casa e o marido trabalhando, amobos merecíamos algo bem gostosinho). Daí resolvi
assar um quibe que tinha na geladeira, coloquei calabresa e queijo como recheio, cobri com maionese, cebola, tomate e queijo. Uma delícia. Mas, quando coloquei pra assar, olhei para a penca de bananas na fruteira. Me deu uma vontade... mas não assim de banana crua. Banana cozida. Daí lembrei de 2 discos de panqueca que sobraram do dia anterior. Eureka! Fatiei 2 bananas, coloquei na panela pra ferver. Isso mesmo, só a banana, nada mais. Em outra panelinha, derreti açúcar mascavo, joguei água , canela, mais uma banana amassadinha e deixei ferver, sem parar de mexer. Uma cena linda eu mexendo duas panelas de banana ao mesmo tempo!
Coloquei a banana derretida nos discos de panqueca, enrolei, jogando um pouco de queijo ralado junto, e cobri com a calda e mais queijo ralado e canela por cima. A essa altura o quibe estava pronto, e colquei as panquecas no forno quente, mas desligado. Enquanto comíamos o quibe as danadinhas ficaram aquecidas e o queijo derreteu. Pena que não fotografei depois de prontas. Ficaram muito, muito deliciosas!!!! E melhor: o preparo, sem contar o tempo de "forno", não levou mais que 5 minutos. ;)

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Fetuccini ao molho de lulas


Adoro lulas! Aqui em casa faz o maior sucesso. Já tinha feito uma receita de fettuccini ao molho de lulas que retirei de um site, não lembro se Cibercook ou Tudo Gostoso, e ficou muito bom, mas achei um pouco aguado. Depois de algum tempo fiz um ensopado de lulas, que servi com arroz branco e saladinha. O ensopado ficou excelente. Como sou louca por massas, quis repetir a dose, mas desta vez fiz a receita do ensopado e acrescentei ao fettuccini. Segue a receita do ensopado (Você pode usar como molho para macarrão ou como prato principal, companhado de arroz branco, purê de batatas e saladinha:
Lula Ensopada
1 Kg de lulas (compre 1 Kg e 1/2, a quantidade reduz bastante depois de limpas)
1 cebola grande picada
1 xícara (chá) de óleo (usei azeite ev)
6 tomates picadinhos
2 dentes de alho
Sal à gosto, pimenta, se gostar
Azeitonas picadas à gosto

Dourei a cebola no azeite, acrescentei o alho e os tomates picadinhos, com pele e sementes (eu adoro a casquinha e as sementes do tomate, se você preferir pode tirar). Quando os tomates começaram a desmanchar, acrescentei o sal e a pimenta, um tiquinho de água fervente e tampei a panela, deixando cozinhar em fogo baixo até apurar o molho (de vez em quando jogava um pouco de água fervente). Acrescentei a lula, aneis e tentáculos, e deixei cozinhando por uma hora, acrescentando mais água fervente de vez em quando. Depous de quase pronta acrescentei as azeitonas picadinhas. Enquanto terminava o cozimento preparei o fettuccini de acordo com as instruções da embalagem, depois de pronto o envolvi no ensopado. Ficou uma delícia, e rendeu bastante. O que sobrou para o dia seguinte ficou ainda mais delicioso, porque o molho penetrou na massa. BOM DEMAIS!!!!!

PS: Não descrevi o processo de limpeza da lula porque aqui o maridão se encarrega disso.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Aventuras na costura

Desde criancinha tenho gosto por costura. Minhas Barbies e Susies que o digam! Adorava pegar retalhinhos e transformá-los em peças ultra-fashion para minha bonecas. A maioria eu costurava, à mão, mas algumas vezes nem costura tinha, como um lenço (chiquérrimo!) de seda rosa que virava mil e um modelitos. Inúmeras vezes inclusive desenhei os modelitos para depois confeccioná-los. As pessoas me diziam que eu daria uma boa estilista, então comecei a sonhar com isso. Bem, o tempo foi passando e esse sonho foi ficando meio "alto" demais pra mim, pois faculdade de moda naquela época só nos grandes centros, e com certeza custava uma nota. Então fui me contentando em customizar algumas peças, tanto roupas como sapatos, de uso próprio. Tudo à mão. Já com 18 anos entrei para um curso de corte e costura. Me saí superbem no início, que consistia em confeccionar moldes, tirar medidas, essas coisas. Acabei "emperrando" quando chegou a hora de costurar na máquina. Minha mãe até tinha uma Singer pretinha, mas a coitada ficava encostada num canto servindo de mesa, e mesmo com minhas insistentes diretas minha mãe não se mostrava muito aberta a me deixar usar e muito menos me ensinar a mexer na bendita. E a professora do curso NÃO QUIS me ensinar a usar a máquina, pode um troço desses??!!!!!!! Ela falou que como as férias estavam chegando era pra eu "dar um jeito" de praticar, para então prosseguir com o curso. Então implorei minha mãe para me ajudar, mas acho que ela também não dominava muito bem a pretinha, que aliás não tinha manual, e acabei tropeçando muito pra conseguir costurar alguns pontinhos. Consegui até fazer algumas coisinhas, mas logo logo a máquina emperrou de vez. E a época do vestibular chegando... Desisti por hora do curso e do meu sonho pra fazer faculdade. E com a correria toda, estudos, trabalho, estágio, acabei me esquecendo de costura. Claro, de vez em quando dava uma customizada, uma ajustada, uma bordada nas minhas coisas. Mas nada além disso.
Até o fim do ano passado (exatamente 10 anos depois!). A empresa onde meu marido trabalha iria dar uma festa de confraternização e forneceu abadás. Foi assim no ano anterior, e eu customizei usando apenas tesoura, linha e miçangas, mas desta vez eu queria algo diferente. Acabei utilizando os mesmos materiais,por falta de tempo e opção, mas fiquei com aquele gostinho de quero mais... Daí comprei um vestido para o Natal, que achei maravilhoso na vitrine, mas ficou grandão em mim. Comprei assim mesmo e ajustei o danado na raça, usando tesoura, agulha e linha. Fez um baita sucesso, minha irmã até achou que eu tinha mandado fazer sob medida. Então surgiu a idéia de comprar uma máquina e entrar para um curso. A ideia ganhou ainda mais força quando decidi sair de um dos meus empregos, pois já não estava mais conseguindo conciliar as aulas em duas escolas e cuidar da casa (que eu adoro). Então agora estou eu aqui, à procura de um curso na minha cidade, já com a maquininha querida em mãos, fazendo algumas artes e costurando (ainda) bem pouco, mas descobrindo muito sozinha (e, claro, com a ajuda de outras blogueiras). E você, como começou sua aventura na costura? Eu quero saber!